Notícias

Fetracos comemora vitória na justiça do trabalho e afina diretrizes para o semestre

O sindicalista e vereador Clàudio Janta participou da reunião estadual da Fetracos, onde os comerciários retomaram as pautas para o primeiro semestre do ano e também destacaram uma importante conquista: a derrubada da liminar que suspendia a obrigatoriedade de pagamento do salário mínimo regional para a categoria.

Comerciários
O sindicalista e vereador Clàudio Janta participou da reunião estadual da Fetracos, onde os comerciários retomaram as pautas para o primeiro semestre do ano e também destacaram uma importante conquista: a derrubada da liminar que suspendia a obrigatoriedade de pagamento do salário mínimo regional para a categoria.

O presidente em exercício da Fetracos, Dionísio Mazui, comunicou a vitória dos trabalhadores e afirmou que a medida patronal dissemina a precarização do trabalho no setor. A medida havia sido imposta no dia 20 de janeiro, a partir de liminar obtida pela Fecomércio.

A federação teve participação eficiente e efetiva na revisão da decisão pelo TJRS. Com farta documentação, conseguimos contestar a liminar, o que é motivo de orgulho para a Fetracos" avaliou o dirigente.

Presidente licenciado da Força Sindical-RS, Clàudio Janta comunicou a realização da 8ª Marcha da Classe Trabalhadora, em São Paulo (SP), no próximo dia 9 de abril; o encontro do secretariado da Força Sindical, que acontecerá na primeira quinzena de maio, e a participação no II Congresso Internacional de Direito Sindical, realizado em Fortaleza (CE), de 2 a 4 de abril, onde a Fetracos foi representada pelos dirigentes Nilton Neco e Luis Carlos Barbosa.

Janta também repercutiu a atuação do departamento jurídico da Fetracos em relação à derrubada da liminar sobre a suspensão do piso regional e comunicou que no mês de julho os juristas sindicais participam de encontro. Uma das preocupações é em relação às ações antissindicais do Ministério Público do Trabalho (MPT).

Não existem denúncias pertinentes. Percebemos que os funcionários são orientados pelas empresas nestas práticas" destaca Janta.

A denúncia foi corroborada por dados apresentados pelo SEC/São Jerônimo, onde todas as oposições registradas pelo sindicato são provenientes das mesmas empresas.

A presidente do SEC/Guaíba, Ivone Simas, destacou que apesar do bom trabalho desempenhado, com o registro de apenas 5 oposições no ano, o sindicato vem sendo perseguido pelo MPT. Em Pelotas, conforme o presidente Elvio Zanetti, o órgão chegou a exigir a comprovação dos serviços oferecidos pelo SECPEL.

A questão do Ministério Público começou pessoal e continua pessoal, contra cada sindicato. Isto tem criado mais atrito e jurisprudência, desfavorável a organização dos trabalhadores" avaliou Antenor Federizzi, diretor do Sindec Canoas.

Freeshops

Uma das questões que deve receber a atenção dos comerciários é em relação à instalação de freeshops do lado brasileiro da fronteira. A questão foi debatida durante o 6º seminário Faixa de Fronteira, realizado pela Força Sindical-RS, e que exige mobilização da categoria em torno da regulação de compras, para que não sejam extintos empregos no comércio local das cidades afetadas.

Custeio Sindical

O seminário promovido pela Força Sindical em Florianópolis (SC), no último mês de março, também teve repercussão durante o encontro da Fetracos. A reformulação da denúncia dos sindicatos sobre o Ministério Público, a partir da realização do evento, já estaria repercutindo e pode levar o órgão a prestar esclarecimentos à Organização Internacional do Trabalho (OIT).

Texto: Andréia Sarmanho (reg. prof. 15.590)

Fotos: Cintia Rodrigues

Comentários