Notícias

Janta comenta operação Zelotes e destaca que só os trabalhadores pagam imposto no Brasil

O vereador Clàudio Janta voltou a destacar na tribuna da Câmara Municipal de Porto Alegre os escândalos nacionais. Desta vez, trouxe à tona a nova operação da Polícia Federal que investiga sonegação de empresas à impostos devidos à Receita Federal.

Operação Zelotes
O vereador Clàudio Janta voltou a destacar na tribuna da Câmara Municipal de Porto Alegre os escândalos nacionais. Desta vez, trouxe à tona a nova operação da Polícia Federal que investiga sonegação de empresas à impostos devidos à Receita Federal.

O vereador Clàudio Janta, do Solidariedade, trouxe para a discussão na tribuna, na última segunda-feira (30/3), o novo caso de corrupção deflagrado pela Operação Zelotes, da Polícia Federal. O escândalo envolve o Conselho Administrativo de Recursos Fiscais (Carf), que fiscaliza as multas da Receita da Federal. Conselheiros negociariam com grandes empresas, cobrando propina para extinguir os débitos. Estima-se que o rombo chegue a R$ 19 bilhões de prejuízo aos cofres públicos.

O rombo no Carf faz a Petrobras ser bebê de colo! Conforme escutas telefônicas da Polícia Federal e da Receita Federal, autorizadas pelo Judiciário, só os pequenos devedores pagam – os trabalhadores e a classe média. Os grandes não" salientou Janta, sobre afirmação feita por um ex-conselheiro, apurada na investigação.

O vereador listou na tribuna as empresas divulgadas na listagem do jornal Estadão, como suspeitas de terem negociado com os conselheiros para abater débitos. Os maiores valores investigados seriam relacionados ao Banco Santander, com dívida estimada em R$ 3,3 bilhões; Bradesco, com R$ 2,7 bilhões; Ford, com R$ 1,7 bilhões; Gerdau, com R$ 1,2 bilhões; Light, com R$ 929 milhões; Banco Safra, com R$ 767 milhões, grupo RBS, com R$ 672 milhões; a construtora Camargo Corrêa, com R$ 668 milhões, Mitsubishi, com R$ 505 milhões, e outras empresas como Carlos Alberto Mansur, Cervejaria Petrópolis, Marcopolo, Cimento Penha, Bank Boston, Coopersucar, Petrobras, Évora, Embraer, CF Prestadora de Serviços, Nardini Agroindustrial, Via Concessões, BR Foods, Banco Pactual, Dascan, Holdenn, Kanebo Silk, Ometto e Viação Vale do Ribeiro.

A lista é longa. Enquanto isso, os trabalhadores assalariados, que ganham acima de R$ 1.800, pagam no mínimo 7,5% de Imposto de Renda, têm deduções de R$ 140. Vou concluir com o pensamento do conselheiro do Carf, de que somente o trabalhador deste país paga imposto, porque os grandes são beneficiados com R$ 19 bilhões de rombo. Por isso não temos saúde, não temos educação pública de qualidade, não temos investimento na população. Com força e fé, vamos seguir denunciando os corruptos e corruptores em busca de uma sociedade mais justa para os trabalhadores do Brasil" finalizou.

Comentários