Notícias

"PPE é mais um incentivo às grandes empresas", avalia Janta

O vereador Clàudio Janta comentou na tribuna da Câmara Municipal de Porto Alegre a nova Medida Provisória do governo federal que institui o Programa de Proteção ao Emprego (PPE). Empresas podem reduzir jornadas e, proporcionalmente, os salários, em até 30%.

"PPE"
O vereador Clàudio Janta comentou na tribuna da Câmara Municipal de Porto Alegre a nova Medida Provisória do governo federal que institui o Programa de Proteção ao Emprego (PPE). Empresas podem reduzir jornadas e, proporcionalmente, os salários, em até 30%.

O vereador Clàudio Janta, do Solidariedade, alertou na tribuna da Câmara Municipal de Porto Alegre, durante a sessão legislativa de quarta-feira (8/7) a respeito da nova Medida Provisória do governo federal que institui o Programa de Proteção ao Emprego (PPE). Para ele, "um plano mirabolante", que concede incentivo às empresas para manutenção dos postos de trabalho através da redução de selários.

As mesmas que sempre são beneficiadas com isenções e desoneração de impostos, agora, terão uma política para reduzir a folha de pagamento. Quem vai ter que abrir mão do salário é o trabalhador" afirmou.

Janta argumentou que a maior parte dos empregos do Brasil são gerados através das pequenas e médias empresas, que não seriam os alvos da medida.

A lista dos segmentos beneficiados, que saiu hoje nos jornais, não é surpresa para ninguém. Constam as montadoras, que ganham somas incalculáveis neste país; o segmento da maior dona de bancada do Congresso, os frigoríficos; e, é claro, aquelas que estão na mídia desde o início do ano, as construtoras. Os amigos do rei serão beneficiados mais uma vez, enquanto os trabalhadores serão penalizados" concluiu.

O vereador destacou ainda a apresentação de uma emenda ao texto original da medida, encaminhada pelo deputado federal Paulo Pereira da Silva (Solidariedade), para que o governo arque, não com a metade, mas com o total do prejuízo que o trabalhador terá com a defasagem do salário. A proposta original diz que o trabalhador terá 50% do valor "perdido" do salário ressarcido pelo Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT).

Comentários