Notícias

Vereador Clàudio Janta apoia apelo de Fortunati à Força Nacional de Segurança

O vereador questionou até quando terão de ser suportadas as brigas entre gangues em Porto Alegre e aprovou postura do prefeito José Fortunati diante da situação caótica que vive a Capital. Ele reforçou "valentia" dos policiais militares gaúchos, mas ponderou que não há condições de enfrentar "os grupos fortemente armados" que atuam na cidade.

Violência sem limites
O vereador questionou até quando terão de ser suportadas as brigas entre gangues em Porto Alegre e aprovou postura do prefeito José Fortunati diante da situação caótica que vive a Capital. Ele reforçou "valentia" dos policiais militares gaúchos, mas ponderou que não há condições de enfrentar "os grupos fortemente armados" que atuam na cidade.

O vereador Clàudio Janta, do Solidariedade, utilizou a tribuna da Câmara Municipal de Porto Alegre, durante a sessão legislativa desta segunda-feira (28/9) para colocar em pauta a situação de crise na segurança pública vivida na Capital. Comentando o clima de terror que tem se instalado na cidade diante das brigas entre gangues, Janta manifestou apoio ao apelo do prefeito José Fortunati, que solicitou ao governo do Estado o pedido de intervenção da Força Nacional de Segurança.

Vimos há pouco mais de 15 dias, após o assassinato de um jovem no Morro da TV, colocarem fogo em ônibus e lotações, instalando o terror. Há seis meses, vimos a UPA da Cruzeiro ser invadida a tiros, como também foi há pouco mais de um ano. O mesmo se repetiu nesta última sexta-feira, quando pacientes e funcionários viveram mais uma tarde de terror, na mesma semana em que minha família viveu um episódio de violência, ficando refém de homens armados dentro de casa. Em três dias, quatro pessoas vinculadas ao meu gabinete foram assaltadas. Não é mera coincidência" declarou.

Afirmando que os criminosos que têm espalhado o terror em Porto Alegre são os mesmos que atuavam no Rio de Janeiro antes da instalação das Unidades de Polícia Pacificadora (UPPs), Janta relembrou que antes havia respeito, ao menos em relação a idosos, igrejas, escolas e unidades de saúde.

Aí o nosso prefeito pede socorro a um Secretário inoperante do Estado, que vive em uma ilha de caras e acha que não há nada fora da normalidade e que as pessoas podem se defender. Nossos brigadianos são muito valentes, mas não têm condições de combater essa situação e os grupos fortemente armados que tem agido na nossa cidade" afirmou, acrescentando que o Legislativo Municipal deve se posicionar favorável ao apelo de intervenção da Força Nacional de Segurança em Porto Alegre.

O vereador concluiu reforçando que não se pode admitir que uma unidade de saúde de referência como o Pronto-Atendimento Cruzeiro do Sul (PACS) tenha que permanecer fechado durante todo o fim da semana por falta de condições de segurança. Ele reforçou que já foram aprovados pelo Legislativo projetos relacionados ao pagamento de horas extra, que ainda não entrou em vigor, e de novas vagas para técnicos de enfermagem, que também seguem aguardando nomeação. "Mas nada disso adianta colocarmos se não pudermos prover condições de segurança para que eles possam atender. Pessoas que salvam vidas não podem ter sua segurança ameaçada, como os funcionários do PACS, que estão desestabilizados emocionalmente e psicologicamente", acrescentou.

Comentários